Browsing Tag

a

Inspiração Textos

“Um dia a maioria de nós irá se separar…

15 de Fevereiro de 2013

Imagem

…Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos…  Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim… do companheirismo vivido… Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre…  Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe… nos e-mails trocados…  Podemos nos telefonar… conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar… meses… anos… até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo…  Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E… isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!  A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente… Quando o nosso grupo estiver incompleto… nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos… Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado… E nos perderemos no tempo… Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades… Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores… mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!”

Vinícius de Moraes

Inspiração Textos

Karina Perussi: Um dia você vai se lembrar de mim

13 de dezembro de 2012

umdia

Oi gente! Vocês não fazem ideia do que esse texto me representa. Ele me ajudou muito a superar uma época difícil, e espero que tenha o mesmo efeito em vocês.

“Um dia você vai se lembrar de mim. Os números da sua agenda passarão claramente na sua frente e você não terá nenhum para discar. Talvez, até tente o meu, mas até lá posso não querer mais te atender ou talvez nem seja mais meu aquele número.

Você vai tentar chamar alguém, mas não vai haver ninguém pra sair correndo e te dar um abraço, nem te colocar no colo ou acariciar seus cabelos até que o mundo pare de girar. Nessa fração de segundo, quando seus pés perderem o chão, você vai lembrar do meu carinho e do meu sorriso infantil. Virão súbitas memórias gostosas dos meus beijos e abraços, da minha preocupação quando você saía e esquecia de pegar a blusa de frio…

E só terá uma música repetindo no seu rádio: a nossa doce sinfonia. Em um novo momento você vai sentir um aperto no peito, uma pausa na respiração, e vai torcer bem forte para ter o nosso mundinho de volta, mundinho difícil, mas cheio de amor e carinho. Vai ouvir a chuva cair e vai sentir um imenso vazio por não ter um grande amor pra compartilhar esse momento. Não terá alguém para brincar de se jogar na grama nos dias ensolarados, nem para adimirar o pôr-do-sol sobre a ponte da pequena cidade. Talvez, nem consiga mais sentir o frescor do vento. O nome disso é saudade, aquilo que eu tinha tanto e te falava sempre.

E quando você finalmente bater na minha porta, ela estará trancada, ou se aberta, mostrará uma casa vazia. Seus olhos te ensinarão o que são lágrimas, aquelas que eu te disse que ardiam tanto. E você vai lembrar dos carinhos nas costas pra você dormir, dos paninhos quentes pra aliviar sua dor de madrugada, da minha inocência que ria de tudo que você falava, do meu jeito bobo, do meu jeito de tentar te fazer feliz… O nome do enjôo que você vai sentir é arrependimento, e a falta de fome será a tristeza, a mesma que eu senti por tanto tempo.

Um dia você irá se deitar, e quando olhar para o teto do quarto escuro, vai se lembrar que as estrelas poderiam estar lá, para iluminar todas as suas noites frias. Mas tudo o que você verá é a escuridão. Então quando os dias passarem e eu não te ligar, quando nada de bom te acontecer e ninguém te olhar com os meus olhos encantados… você encontrará a solidão. E você vai ver que diante de tudo isso, alguns dos meus defeitos poderiam ter sido perdoáveis. A partir daí, o que acontecerá chama-se surpresa. E provavelmente o remédio para todas essas sensações…

…é o tal do tempo em que você tanto falava!”

Inspiração Textos

Walcyr Carrasco: A vida é falsa

9 de dezembro de 2012

Imagem

Li esse tempo um tempinho atrás, e amei tanto! Não sei porque me lembrei dele, mas aposto que vão amar igual. Walcyr Carrasco é um grande escritor e  um grande dramaturgo.

“Há uma infinidade de coisas banidas da vida social.Comer frango com a mão, por exemplo. É delicioso agarrar uma coxa com as mãos! As regras de etiqueta até permitem, mas ninguém tem coragem. As pessoas ficam cortando pedacinhos com a faca, enquanto o osso rola no prato. E chupar o tutano? Quem nunca provou não sabe o que está perdendo. É uma delícia. Já me avisaram:
– Você vai ficar com a boca lambuzada.
– Lambuzou, lavou! – respondo.
Na trilha do frango, vai a manga. Cravar os dentes no caroço de uma manga bem madura é inesquecível.
Todo mundo serve a fruta cortadinha. Existem frutas que nem são servidas diante de convidados. Jaca, por exemplo. Impossível comer jaca de garfo e faca. Resultado: ninguém mais oferece. Tem gente que acha feio até comer sanduíche com a mão. Já recebi muitos olhares de acusação, ao agarrar um cheeseburger e meter os dentes, enquanto a pessoas na minha frente corta os pedacinhos. São tantas as falsidades que nem sei como me comportar. Outro dia cheguei a uma festa de aniversário e perguntei, alegre:
– Quantos anos?
A aniversariante virou a cara. Na hora do bolo, só uma vela solitária. Acabei comentando:
– Se ela botasse todas as velinhas, provocaria um incêndio!
Quase fui expulso.
Alguém me responda: como dar festa de aniversário sem que perguntem a idade?
Já me conformei. Se é para deixar de ser espontâneo, prefiro ser chamado de mal-educado. Pelo menos, a vida torna-se mais confortável.”
Livros

LIVRO

22 de novembro de 2012

Oi! Hoje vou falar sobre um livro que eu sou simplesmente apaixonada! Chama-se A “Mansão dos Segredos”, escrito pela Candace Camp! É uma trilogia de três livros, e só li o primeiro, o qual irei indicar para as leitoras assíduas.

Pensem num livro perfeito? Agora multipliquem pelo infinito e vocês terão uma vaga ideia do livro e do seu enredo e final surpreendente!

É um romance histórico, na época que os Estados Unidos entrava em ascensão, competindo com a Inglaterra… E no próprio país o protagonista é o Devin, da tradicional família Aincourt. Com várias terras, casas, os nobres. E receberam por lealdade ao rei a abadia Darkwater, no entanto, veio com uma maldição: nenhum Aincourt que a possuísse conheceria a felicidade. (Entretanto não tem nada de “sobrenatural” no livro!) O Devin, é um conde da cidade em que mora, Ravenscar. Ele é o típico galinha, viciado em jogos, bebe demais – E lindo.  Ele gasta todo dinheiro herdado e não dando a menor atenção à administração de Darkwater, à beira da ruína. Até que um dia, sua mãe suplica para que ele se case com uma herdeira americana. Ele não aceita muito, mas decide conhece-la, acreditando ser apenas uma união no papel.

E ai começa a desenrolar a trama. Naquela época, as mulheres eram donas de casa, passivas em meio a sociedade. E Miranda, a americana, era totalmente o oposto. De personalidade forte, linda, esforçada, ajuda a administrar o papel do pai, que era bem a frente do seu tempo. Ela não quer aceitar de jeito nenhum casar-se com ele, mas decide conhece-lo.

Ele pensa que ela é brega, desatualizada, da roça. A visão preconceituosa que a Inglaterra tinha dos EUA. No dia em que decidem se encontrar, lá esta Miranda super arrumada, maquiada, e linda! E o Devin não aparece. Ela, brava, decide ir embora, na mesma hora que o Devin está bêbado, indo ao seu encontro. No caminho, os cobradores das suas apostas o machucam, e adivinha quem está na passando na mesma hora? A-hã! A Miranda. Ela enfrenta um dos homens, e “salva”. Ele agradece e vai embora, sem ao menos saber quem ela é. Já ela, fica encantada pelos olhos dele.

Ai vem a parte engraçada. No dia seguinte, fazendo as fianças da empresa, com um vestido antigo, óculos, e roupa sujinha, e cabelo desarrumado (não esqueça que aquela época era maquina de escrever), chega Devin lá de surpresa para pedir desculpa pelo atraso, e vê exatamente o que imaginava: Uma menina com cabelo mal cuidado, roupa suja e velha, de óculos. E por ai vão desenrolando os fatos… Aqui vai um trecho:

  “Miranda ficou paralisada por um instante, incapaz de se mover. Nunca fora tratada daquele modo, agarrada tão bruscamente ou beijada com tanta intensidade. Nenhum outro homem teria a arrogância – ou a coragem. Um lapso de indignação tomou conta dela. Mas, ao mesmo tempo, todo seu ser estremeceu com as sensações que experimentou. A boca dele era quente e exigente; e aquele gosto a inebriou. Os lábios de Devin pressionaram os dela, ferventes, aveludados, flamejantes.

(…)

De repente, e para surpresa de Miranda, Devin se afastou. Ele chegou para trás e olhou para baixo, para o rosto suavizado pela paixão. Os olhos dele brilharam, verdes como água do mar.

– Pronto – sussurrou, largando os braços dela. – Agora você sabe o que poderia ter tido, mas foi muito tola para conseguir.”

E ai? Quem ler me diz o que achou, hein?!

Textos

Instante

9 de novembro de 2012

E lá estava, imóvel. Era difícil imaginar como um brincalhão e hiperativo como ele, poderia permanecer tão concentrado. Seus olhos se encontravam com o meu, e nesse instante tudo desaparecia. Aquele olhar. Os olhos cor de mel, o motivo do meu pouco, quase nulo, entendimento sobre o que é amar. E o motivo da minha insônia. Passava horas rolando na cama, com meu fone de ouvido no volume máximo na inútil tentativa de tentar desviar meus pensamentos para o futuro que eu não queria que acontecesse.

A notícia veio por telefone: “Amor, passei no vestibular, eu consegui!” Em meio a choro, sorrisos, comemorávamos devido ao esforço que ele havia feito pelo seu sonho, a ficha caiu: Medicina em uma das faculdades mais concorridas do país. O problema? 900 km que separam a faculdade da cidadezinha interiorana em que moro. 900 km que afastam do meu pedacinho de conto de fadas, de porto de seguro, da minha felicidade.

Malas despachadas, e o anúncio de embarque final. Seus lábios…beijo exigente, melancólico, beijo de despedida…abraço apertado,  e um eu te amo sussurrado selava assim a experiência do meu primeiro amor.