Browsing Tag

vida

Textos

“Tenho tanto sentimento

31 de Março de 2015

fernando

Que é frequente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.”

Fernando Pessoa, in “Cancioneiro”

Inspiração Textos

Ano novo, vida nova!

31 de dezembro de 2012

ANO novo vida nova _ texto

“Para você ganhar belíssimo Ano Novo 

cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.”

Carlos Drummond de Andrade

Inspiração Textos

Walcyr Carrasco: A vida é falsa

9 de dezembro de 2012

Imagem

Li esse tempo um tempinho atrás, e amei tanto! Não sei porque me lembrei dele, mas aposto que vão amar igual. Walcyr Carrasco é um grande escritor e  um grande dramaturgo.

“Há uma infinidade de coisas banidas da vida social.Comer frango com a mão, por exemplo. É delicioso agarrar uma coxa com as mãos! As regras de etiqueta até permitem, mas ninguém tem coragem. As pessoas ficam cortando pedacinhos com a faca, enquanto o osso rola no prato. E chupar o tutano? Quem nunca provou não sabe o que está perdendo. É uma delícia. Já me avisaram:
– Você vai ficar com a boca lambuzada.
– Lambuzou, lavou! – respondo.
Na trilha do frango, vai a manga. Cravar os dentes no caroço de uma manga bem madura é inesquecível.
Todo mundo serve a fruta cortadinha. Existem frutas que nem são servidas diante de convidados. Jaca, por exemplo. Impossível comer jaca de garfo e faca. Resultado: ninguém mais oferece. Tem gente que acha feio até comer sanduíche com a mão. Já recebi muitos olhares de acusação, ao agarrar um cheeseburger e meter os dentes, enquanto a pessoas na minha frente corta os pedacinhos. São tantas as falsidades que nem sei como me comportar. Outro dia cheguei a uma festa de aniversário e perguntei, alegre:
– Quantos anos?
A aniversariante virou a cara. Na hora do bolo, só uma vela solitária. Acabei comentando:
– Se ela botasse todas as velinhas, provocaria um incêndio!
Quase fui expulso.
Alguém me responda: como dar festa de aniversário sem que perguntem a idade?
Já me conformei. Se é para deixar de ser espontâneo, prefiro ser chamado de mal-educado. Pelo menos, a vida torna-se mais confortável.”
Pensamentos

Too much

6 de dezembro de 2012

Imagem  Quando eu volto a escrever regularmente, eu começo a ter um estalo de inspiração, e na maioria das vezes é crítica. Estava deitada, de luz apaga, mexendo no Instagram, quando olhando uma foto de uma menina e lendo os comentários me dei conta de como temos que ser falsas para agradar.

Essa afirmação com absoluta certeza vai ser polêmica: Nossa adolescência seria bem melhor sem esses celulares moderníssimos, com internet, Instagram, Facebook, e Twitter incluso. Acabamos esquecendo de aproveitar os momentos, por puro exibicionismo barato online. Não gostamos de tal artigo, mas como todo mundo usa,usamos também. Tiramos uma foto legal só para ter mais curtidas, ouvir elogios que sabemos que são falsos, e com isso criar um circulo vicioso.

Não tô dizendo que a internet tem que ser banida, se não seria uma hipócrita. Acho a Internet uma das melhores invenções, e ela nos conecta de forma extraordinária. Mas venho percebendo de uns tempos pra cá, que vem sendo maléfica. Se existisse só no computador seria mil vezes melhor, sinto tanta saudade de esperar para chegar em casa para contar as novidades por MSN para a amiga. Era mais gostoso…

É claro que para minoria influente, eles a-m-a-m a globalização intensa. Muitos paparicos, pseudo-itgirlismo (essa palavra existe?! >obvio que não<), e cada dia mais perdendo o que nós somos, e quem somos. É um bombardeio de tendencias em que o que foi lançado mês passado acaba perdendo a graça e se tornando out.

E como qualquer generalização é errado (generalizar isso também), não vale para todo mundo. Eu que sou uma crítica nata, acabo ficando irritada com algumas atitudes, e mais irritada ainda por me importar.

Não podemos simplesmente nos desligar de toda as redes sociais, então acho que a solução seria deixar o celular de lado um pouco, e ficar on na real life!

Inspiração

IT GIRL: COCO CHANEL

22 de novembro de 2012

Quem nunca suspirou ao ouvir esse nome?! Impossível para qualquer menina não conhecer, ou ao menos ouvir falar da marca Chanel. E tão inspiradora quanto, é a mulher que a fundou. A frente do seu tempo pode defini-la. Em uma época em que roupas apertadas, desconfortáveis eram o cotidiano, Coco inovou a industria com tecidos leves, roupas mais curtas, bolsas diferentes, e seu inigualável perfume.

Imagem

Apelidada pelo pai de Coco, seu nome era Gabrielle Bonheur Chanel, nasceu em Saumur (Ah, França!) em 19 de agosto – Típica leonina – de 1883  e morreu em Paris, no dia 10 de janeiro de 1971

Sua mãe morreu cedo, e ela teve que fazer o papel da mesma, enquanto o pai trabalhava.  Sendo logo depois hospedada em um colégio interno. Com 18 anos fugiu de lá e foi trabalhar como costureira em uma loja de enxovais e sonhava nessa época em cantar no music hall.

Conseguiu, devido ao seu corpo esbelto, vários papeis. E através de um dele, se relacionou com um socialite e herdeiro de uma famosa fábrica de tecidos que na época fabricava o uniforme do exército. Ele era criador dos melhores cavalos da França, mas o romance só dura alguns meses…

5 anos mais tarde, Coco conheceu o milionário inglês Arthur Capel, o amor de sua vida. Ele que ajudou a abrir sua primeira loja de chapéus, que veio a ficar famosa. Capel meses mais tarde morreu num desastre de carro. Com a tristeza, Chanel abriu a primeira casa de costura, comercializando inclusive chapéus. Nessa mesma casa, começou a vender roupas  para a praia, e de esportes, e inventou as primeiras calças femininas.

Já passado algum tempo, Coco conheceu um príncipe russo pobre que tinha fugido com a sua família da Rússia, então União Soviética. A sua relação a fez desenhar roupas com bordados do folclore russo e, para isso, contratou 20 bordadeiras.

Em 1915, devido à Primeira Guerra Mundial, e a falta de tecidos, de trabalhadores qualificados, e todo o alvoroço gerado, Chanel percebe que é esse é o momento certo para seguir sua inspiração: bane da sua coleção o espartilho, saias muito compridas, roupas justas, tecidos pesados, e enfim, liberta o corpo da mulher.

Em 1920, criou o perfume mais famoso, e adorado por Marilyn Monroe, o Chanel Nº 5.  O nome é referencia ao seu numero da sorte, e que sorte! Foi o perfume mais vendido do mundo!

Durante a Segunda Guerra Mundial, os negócios de moda estavam em baixa, fazendo que Coco vendesse suas roupas para o outro lado do Atlântico. Nesta época namorou um oficial nazista, o que lhe custou o exílio. Em 1954 voltou a Paris e retomou seus negócios na alta costura, gerando-lhe mais sucesso ainda.

Faleceu no Hotel Ritz Paris em 1971, onde viveu por anos.

Imagem

Para quem se interessou, existe um filme chamado  Coco antes de Chanel, interpretado pela Audrey Tatou (A que faz a Amélie, no “Fabuloso destino de Amélie Poulain”, que eu amo), super recomendo.

As citações dela, é um caso a parte!

“Vista-se mal e notarão o vestido. Vista-se bem e notarão a mulher.”
“O conforto possui formas. O amor cores. Uma saia é feita para se cruzar as pernas e uma manga para se cruzar os braços.”
“Uma mulher precisa de apenas duas coisas na vida: um vestido preto e um homem que a ame.”
“O luxo tem que ser confortável ou não é luxo.”
“Sou contra a moda que não dure. É o meu lado masculino. Não consigo imaginar que se jogue uma roupa fora, só porque é primavera.”
“Eu não entendo como uma mulher pode sair de casa sem se arrumar um pouco – mesmo que por delicadeza. Depois, nunca se sabe, talvez seja o dia em que ela tem um encontro com o destino. E é melhor estar tão bonita quanto for possível para o destino.”
“A natureza lhe dá o rosto que você tem aos 20. A vida talha o rosto que você tem aos 30. Mas depende de você merecer o rosto dos 50.”
 
Inspiradora! Sem mais!
Pensamentos

Solução

18 de novembro de 2012

Sempre acreditei em que detalhes fazem toda a diferença. Qualquer um. Seja em um bilhete que sua mãe deixou na geladeira falando que te ama, ou um parabéns na prova gabaritada (e suada!) de química!

E são esses pequenos detalhes que vão determinar o rumo que seu dia, mês, levará. Passamos por muitas agonias no dia, tristezas, estresse. E se não fizermos nada em relação esses sentimentos, eles vão alimentando a nossa energia, esgotando, até ativarmos o modo automático, e perdemos a graça que vemos na vida.

Cada pessoa tem um ponto de escape. Os meus? Um banho bem quente, escrever. Algo que me desligue dos meus problemas, nem que seja por dez minutos. Esses tais momentos desligados, nos ajudam a ver os obstáculos com outros olhos, e quem sabe achar uma solução!

Você pode achar em qualquer coisa… desenhando na borda do caderno, ouvindo uma musica (alegre, né!), deitada no escuro, vendo fotos, lendo. E lembre-se sempre o que o Bob Marley dizia: “A vida é para quem topa qualquer parada. Não para quem pára em qualquer topada.”